tdah logo

cleide heloisa partel

P.C., publicitário, conta uma das tantas revoluções em sua brilhante trajetória.

Lendo a bula desse "rótulo", percebe-se que um DDA é desatento, impulsivo, hiperativo e desorganizado.

Parece que eu sou assim?

Mas também se percebe que um DDA é inteligente, criativo, genial. Isso eu sei que sou, com certeza e modéstia, já que modéstia é apenas uma das minhas infinitas qualidades.

Pra driblar o DDAísmo, a doutora Cleide me ensinou a anotar tudo, deixar bilhetinhos pra mim mesmo em todos os cantos da casa, do carro, da vida.

Resolvi mudar de vida, de casa, de carro, de mulher e até de trabalho. Deixei a pressão de alto executivo de multinacional pra ser feliz como "baixo consultor paroquial".

Isso faz uns 3 anos. Tirei a pressão de cima de mim, vivi mais tranqüilo. Até que minha perversa alma DDA voltou a se manifestar, como a Glen Close em ATRAÇÃO FATAL: quando você pensa que foi embora, ela surge do nada. Inventei projetos, corri atrás de clientes feito louco, escrevi artigos, dei palestras, fiz viagens, entupi minha agenda. Cá estou de novo cheio de bilhetinhos ao meu redor, prestando atenção em tudo e em nada, agitado, caótico, desorganizado. E feliz.

Acho que um legítimo DDA puro sangue não muda sua essência. Mas tem o poder de mudar o seu mundo, exatamente por ser inteligente,criativo e empreendedor. Precisam incluir essa característica na bula.

Cleide, desculpe escrever este depoimento assim na última hora. Sabe como é, ando cheio de coisas, muito atolado e esquecido. Esqueci até de me deixar um bilhetinho, pra lembrar do teu pedido.