tdah logo

cleide heloisa partel

R.M., 32 anos, jornalista de um jornal de circulação nacional. Ele nos fala o quanto sentiu-se liberado de comportamentos inadequados e compulsivos que não conseguia controlar (nem mesmo entender), por mais que tentasse:

"- Hoje sinto-me menos impulsivo, agora eu penso antes de fazer as coisas. Antes eu só pensava depois que já tinha feito e muitas vezes ficava envergonhado, com culpa.

No relacionamento com as pessoas é onde vejo a maior diferença. O "pavio" está menos curto.

Na situação profissional que estou vivendo hoje, com um acúmulo de tarefas e de funções muito grandes, se não fosse pelo tratamento, com certeza eu já teria "chutado o pau da barraca" e pedido demissão."