tdah logo

cleide heloisa partel

Disfunção executiva como uma medida de funcionalidade em adultos com TDAH

(resumo do artigo publicado no Jornal Brasileiro de Psiquiatria - J. bras. psiquiatr. v.56 supl.1 Rio de Janeiro 2007)
Eloisa Saboya, Dagoberto Saraiva, André Palmini, Pedro Lima, Gabriel Coutinho.

São numerosas as manifestações de comprometimento no TDAH, envolvendo a vida social, familiar, afetiva, conjugal, acadêmica e profissional (Kessler et al., 2006). Subjacentes a esse elenco de impactos funcionais negativos, algumas dificuldades cognitivas pontuais podem também estar presentes, em especial as alterações das funções executivas (Barkley, 1997a). et al., 2005).

A validade clínica do comprometimento dos principais âmbitos de vida no TDAH tem sido bastante investigada. Por associar-se a manifestações objetivas, como notas baixas e queixas de comportamento na escola, perda de objetos, acidentes e traumas, esse tipo de comprometimento funcional é freqüentemente reconhecido pelo avaliador, familiares, pessoas do convívio e pelo próprio paciente.

Por definição, sintomas são manifestações de uma patologia relatadas pelo paciente; assim, o paciente com TDAH nem sempre é rotineiramente sintomático e, ao se queixar dos sintomas, estes, freqüentemente, já podem ser manifestações de uma complicação ou comorbidade (por exemplo, depressão). Na entrevista clínica, deve-se investigar o quanto o paciente tem dificuldade em organizar-se para atingir metas. O clínico poderá interrogá-lo, por exemplo, sobre como administra seu tempo, se é capaz de fazer um planejamento de suas atividades, com que freqüência cumpre seu planejamento, se finaliza tarefas previamente iniciadas e com que grau de autonomia e independência consegue desempenhar suas rotinas.

Barkley (1997b) propôs uma teoria unificadora para explicar as disfunções observadas no TDAH. A proposição é pautada em uma alteração central no córtex pré-frontal que compromete a capacidade adaptativa da função executiva.

Essa “alteração-chave” seria um déficit na capacidade de inibir respostas, o que explicaria os vários tipos de manifestações e comprometimentos no TDAH.

As funções executivas podem ser divididas entre quatro subconjuntos (Lezak et al., 2004):

1- A volição é a capacidade de estabelecer objetivos. Para essa formulação intencional, é necessária a motivação e consciência de si e do ambiente.

2- O planejamento é a capacidade de organizar e prever ações para atingir um objetivo. A habilidade de planejar requer capacidade para tomar decisões, desenvolver estratégias, estabelecer prioridades e controlar impulsos.

3- A ação intencional é a efetivação de um objetivo e planejamento, gerando uma ação produtiva. Para isso, é necessário que se inicie, mantenha, modifique ou interrompa um conjunto complexo de ações e atitudes integrada e organizadamente.

4- O desempenho efetivo é a capacidade de automonitorar, autodirigir e auto-regular a intensidade, o ritmo e outros aspectos qualitativos do comportamento e da ação, ou seja, é um controle funcional.

A realização de tarefas diárias e o convívio social adequado requerem a integridade das funções executivas. O desenvolvimento essas funções durante a infância proporciona gradualmente a adequação e o melhor desempenho da criança para iniciar, persistir e completar tarefas. A síndrome disexecutiva é caracterizada pela incapacidade das funções executivas em processar e elaborar ações adaptadas (Baddeley e Wilson, 1988).

Essa disfunção pode se apresentar com uma ou várias dificuldades práticas que impactam o cotidiano, como comprometimento da atenção sustentada, dificuldade em iniciar tarefas, empobrecimento da estimativa de tempo, dificuldade de alternar de uma tarefa para outra ou lidar concomitantemente com distintas tarefas que variam em grau de relevância e prioridade, déficits no controle de impulsos e impaciência, problemas de planejamento, distração, pouco insight, inquietação, agressividade, problemas de seqüência cronológica, problemas de inibição de resposta e labilidade motivacional (Powel e Voeller, 2004; Burges e Alderman, 2004).

A constelação da síndrome disexecutiva no TDAH pode apresentar uma variedade de manifestações. Entre elas, freqüentemente ocorre:

1- Procrastinação, ou seja, o indivíduo tende a postergar tarefas, principalmente quando envolvem maior necessidade de atenção ou levam a uma recompensa não a curto, mas a longo prazo.

2- Alternância de tarefas, deixando-as incompletas, em função de uma baixa capacidade de persistir em uma tarefa e uma alta necessidade de “variar”.

3- Labilidade motivacional, apresentando interesse fugaz com necessidade de buscar novidades (o que se relaciona diretamente com a alternância de tarefas, descrita no item anterior).

4- Dificuldade de focalização e sustentação da atenção, revelando maior sensibilidade à distração, com dificuldade para filtrar estímulos internos e externos. Necessita de lembretes para manter uma tarefa habitual, apresentando inconstância e abandono precoce de tarefas.

5- Dificuldades de organização e hierarquização, apresentando problemas para estabelecer prioridades e distinguir importâncias.

6- Menor velocidade de processamento.

7- Manejo deficiente da frustração e da modulação do afeto, apresentando baixa tolerância e limiar para frustração com baixa auto-estima, hipersensibilidade a críticas e irritabilidade.

8- Deficiência de memória de trabalho com dificuldade de manipular informações verbais e não-verbais em curto espaço de tempo, e seguimento de seqüências.

9- Deficiência de memória prospectiva, gerando esquecimentos de responsabilidades e objetivos estipulados (Lopes et al., 2005). Como mencionado acima, um corpo de dados começa a ser acumulado sobre as correlações entre dificuldades na vida diária e o desempenho em testes neuropsicológicos de função executiva. Por exemplo, Stavro et al. (2007) estudaram 105 adultos com TDAH e 90 controles em termos de comprometimento adaptativo (definido como prejuízo nas esferas social, ocupacional e educacional) e sua relação com a performance em testes neuropsicológicos de funções executivas. Os achados sugeriram que os sintomas de desatenção eram mais duradouros e estariam mais associados ao comprometimento de funções executivas e comprometimento adaptativo.

REFERÊNCIAS

American Psychiatric Association. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders. 4th ed. Washington, DC: Author; 1994. [ Links ]

Anderson V. Executive function in children. Child Neuropsychology, 8:69-70, 2002. [ Links ]

Baddeley AD, Wilson B. Frontal amnesia and the dyexecutive syndrome. Brain & Cogn, 7: 212-30, 1988. [ Links ]

Barkley RA. ADHD in adults: comorbidity and adaptive impairments. NIMH Grant number1R01MH054509-01A2, 1997a. [ Links ]

Barkley RA. Behavioral inhibition, sustained attention, and executive functions: Constructing a unifying theory of ADHD. Psychological Bulletin, 121:65-94, 1997b. [ Links ]

Bayliss DM, Roodenrys S. Executive processing and attention deficit hyperactivity disorder: An application of the supervisory attentional system. Dev Neuropsychol, 17:161-80, 2000. [ Links ]

Biederman J, Monuteaux M, Seidman L, Doyle AE, Mick E, Wilens T et al. Impact of executive function deficits and ADHD on academic outcomes in children. J Consult Clin Psychol, 72:757-66, 2004. [ Links ]

Biederman J, Petty C, Fried R, Fontanella J, Doyle A, Seidman L et al. Impact of psychometrically defined deficits of executive functioning in adults with Attention Deficit Hyperactivity Disorder. Am J Psychiatry, 163:1730-8, 2006. [ Links ]

Biederman J, Petty C, Fried R, Fontanella J, Doyle A, Seidman L et al. Can self-reported behavioral scales assess executive function deficits? A controlled study of adults with ADHD. J Nerv Ment Dis, 195:240-6, 2007. [ Links ]

Boonstra AM, Oosterlaan J, Sergeant JA, Buitelaar JK. Executive functioning in adult ADHD: a meta-analytic review. Psychol Med, 35:1097-108, 2005. [ Links ]

Burges PW, Alderman N. Executive dysfunction. In: Goldstein L, McNeil J, org. Clinical Neuropsychology: A practical guide to assessment and management for clinicians. England: John Wiley & Sons Ltd, pp. 185-270, 2004. [ Links ]

Gordon M, Barkley RA. Tests and Observational Measures. In Barkley RA, editor. Attention Deficit Hyperactivity Disorder - A Handbook for Diagnosis and Treatment, 2nd ed. New York; The Guilford Press, pp. 294-311, 1999. [ Links ]

Houghton S, Douglas G, West J, Whiting K, Wall M, Langsford S et al. Differential patterns of executive function in children with attention deficit hyperactivity disorder according to gender and subtype. J Child Neurol, 14:801-5, 1999. [ Links ]

Kessler RC, Adler L, Barkley R, Biederman J, Conners CK, Demler O et al. The prevalence and correlates of adult ADHD in the United States: results from the National Comorbidity Survey Replication. Am J Psychiatry, 163(4):716-23, 2006. [ Links ]

Lawrence V, Houghton S, Douglas G, Durkin K, Whiting K, Tannock R. Executive function and ADHD: a comparison of childrens performance during neuropsychological testing and real-world activities. J Atten Disord, 7:137-149, 2004. [ Links ]

Lezak MD, Howieson DB, Loring DW. Neuropsychological assessment. 4th ed. New York: Oxford University Press; 2004. [ Links ]

Lopes RMF, Nascimento RFL, Bandeira DR. Avaliação do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade em adultos (TDAH): uma revisão de literatura. Aval Psicol, 4:65-74, 2005. [ Links ]

McGough JJ, Barkley RA. Diagnostic controversies in adult attention deficit hyperactivity disorder. Am J Psychiatry, 161:1948-56, 2004. [ Links ]

Nigg JT, Stavro G, Ettenhoffer M, Hambrick DZ, Miller T, Henderson JM. Executive Functions and ADHD in Adults: Evidence for Selective Effects on ADHD Symptom Domains. J Abnormal Psychology, 114(3):706-17, 2005. [ Links ]

Powell KB, Voeller KKS. Prefrontal executive function syndromes in children. J Child Neurol, 19:785-97, 2004. [ Links ]

Schoechlin C, Engel RR. Neuropsychological performance in adult attention-deficit hyperactivity disorder: meta-analysis of empirical data. Arch Clin Neuropsychol, 20:727-44, 2005. [ Links ]

Shallice T, Marzocchi GM, Coser S, Del Savio M, Meuter RF, Rumiati RI. Executive function profile of children with attention déficit hyperactivity disorder. Dev Neuropsychol, 21: 43-71, 2002. [ Links ]

Stavro GM, Ettenhofer ML, Nigg JT. Executive functions and adaptive functioning in young adult attention-deficit/hyperactivity disorder. J Inter Neuropsychol Soc, 13:324-34, 2007. [ Links ]

Willcutt EG, Doyle AE, Nigg JT, Faraone SV, Pennington BF. Validity of the executive theory of ADHD: a meta-analytic review. Biol Psychiatry, 57:1336-46, 2005. [ Links ]

Woods P, Lovejoy DW, Ball JD. Neuropsychological characteristics of adults with ADHD: A comprehensive review of initial studies. Clin Neuropsychol, 16:12-34, 2002. [ Links ]