tdah logo

cleide heloisa partel

M.P., 40 anos, esposa e sócia de T. M., 39 anos (formado em Marketing) numa empresa de artes e eventos artísticos. Mesmo trabalhando na área de criação (ideal para quem tem TDAH), muitos passam a vida buscando se adequar, acabando deprimidos com a sensação de fracasso, com a auto-estima totalmente comprometida:

"- Como mãe e como esposa, o conhecimento do Distúrbio foi fundamental em minha vida.

O diagnóstico do T. (seu marido), salvou nosso casamento.

Algumas coisas que eu não tolerava mais, que me pareciam dispersão, descaso, preguiça, irresponsabilidade, egoísmo, foram identificados pela Dra. Cleide como problemas decorrentes do DDA. A partir daí comecei a colaborar no seu tratamento e meu comportamento com relação a ele mudou: passei a ajudá-lo e respeitá-lo, sentindo-me menos culpada pela raiva que muitas vezes sentia do seu comportamento.

Como mãe, percebendo os sintomas em 2 de meus 3 filhos, ajudo-os a identificá-los no momento em que aparecem, para que aprendam a contorná-los, evitando os traumas pelos quais T. passou ao longo de toda sua vida com tanto sofrimento. Hoje percebo nele um amadurecimento muito grande ao que eu poderia chamar de recuperação da sua auto-estima. Ele consegue agora elaborar projetos sozinho, negociar com segurança, coisas que antes dependiam totalmente da minha presença.

Essa descoberta na verdade, foi a grande libertação de uma série de culpas em todos os sentidos e uma oportunidade de reeducação em nossas relações."